terça-feira, 31 de maio de 2011

Piratas do Caribe - navegando em águas misteriosas


Por Pablo de Souza
Como gosto muito de cinema, venho hoje trazer a dica de um bom filme. O quarto da série “Piratas do Caribe” que é mais um dos filmes mais bem sucedidos da Walt Disney.
“Piratas do Caribe Navegando em Águas Misteriosas” é realmente bom, porém deixa a desejar se comparado aos seus antecessores. Ele traz uma nova história, com a presença de novos personagens (apenas três estavam presentes nos outros filmes da serie: Capitão Hector Barbosa (Geoffrey Rush), Joshamee Gibbs (Kevin McNally ) e o ilustre “Capitão” Jack Sparrow (Johnny Depp).        
A história mostra uma corrida disputada entre os ingleses, espanhóis e piratas atrás da fonte da juventude, sendo o principal interessando em busca da fonte o temível pirata Barba Negra.  Ele queria chegar à fonte para sobreviver, dentre outras coisas, à perseguição do homem de uma perna só - o pirata Barbosa (que luta ao lado da marinha inglesa). Barbosa só estava trabalhando com esta esquadra marinha com o intuito de matar Barba Negra. Os espanhóis estavam do lado da Igreja Católica querendo destruir a fonte, pois achavam que só Deus pode ter o poder de escolher quem vive e quem morre.
O filme ficou interessante, pois o personagem do Capitão Jack Sparrow mais uma vez com suas brincadeiras, intrigas e amores conseguiu preservar a simbologia que marca a série “Piratas do Caribe” apesar da falta do conjunto de atores dos outros filmes. O filme gastou 200 milhões de dólares sendo que U$ 60 milhões foram exclusivos para o ator Johnny Depp (a grande estrela desta série cinematográfica).
E você leitor. Assistiu ao filme? Que tal deixar sua impressão?
Caso não, assista ao trailer e se inspire a assistir!

Um beijo a Bolsonaro


Por Julia Juchem

Dia 13 de maio foi um dia diferente em Floripa. Esse dia geralmente é marcado para lembrar a abolição da escravatura, um fato super importante na história do nosso povo, pois marcou o direito da cidadania àqueles que eram excluídos da sociedade. Essa data é atualizada em 2011, 123 anos depois, quando outras minorias são representadas numa manifestação para marcar a diversidade.

Cerca de 150 pessoas reuniram-se em frente à catedral de Florianópolis para realizar uma manifestação contra a homofobia e o racismo com um gesto simples, mas marcante: um beijo entre casais homossexuais e casais “inter-raciais”. Conforme explica o blog da performance, o objetivo principal é “responder a Bolsonaro que não importa o quanto ele seja homofóbico ou racista, estamos num país que dá o direito de sermos diferentes e amarmos quem quisermos”.

Flyer da manifestação (Blog)

Jair Bolsonaro é deputado federal do Partido Progressista eleito pelo Rio de Janeiro. Ele representa opiniões conservadoras e, em minha opinião, preconceituosas; pois discrimina os gays, os cotistas, os negros, os índios, as mulheres, em prol, do que diz da “família e dos bons costumes”. É suplente da Comissão de Direitos Humanos e Minorias (estranho, não?!). Dias atrás concedeu uma entrevista ao programa televisivo CQC (Rede Bandeirantes) declarando a sua opinião em relação a assuntos delicados. Esse vídeo foi e ainda é muito acessado na internet, com pessoas utilizando o espaço de comentários como um campo de debate.

É importante considerar:

- o número estrondoso de votos que ele recebeu na última eleição (120.646 votos, para o seu sexto mandato);

- a igualdade entre likes e dislikes no vídeo dele do CQC (quando acessado em 27/05/2011 estava com 760 pessoas que gostam e 750 pessoas que não gostam de sua fala);

Esses dados refletem a opinião de muitos brasileiros e podemos constatar que sim, ele está representando a opinião de alguns brasileiros na mídia e na Câmara de Deputados. Acredito que muitos dos que votaram no Bolsonaro sabiam de suas posições e votariam nele novamente, tanto é que já existe campanha “Bolsonaro Presidente” nas redes sociais.

Imagem com falas do deputado e opinião sobre as mesmas

Caro leitor para que cada um tire suas próprias conclusões, deixo aqui links que considerei interessantes (que também foram as fontes para minha reflexão). Aproveito para considerar algumas questões:

- Na exposição do pensamento, até onde vai a liberdade de expressão de um sujeito? E quando isto passa a ser considerado preconceito? Esse conceito muda ao ser dito por uma pessoa pública e em rede nacional?

A polêmica entrevista no CQC:

O direito de resposta do Deputado no CQC:

O cargo - no mínimo - contraditório que ele ocupa na câmara:

O blog da performance feita em Florianópolis:

Discussão entre ele e outra deputada:


O Racismo


Por Andrei Machado.

Apesar de todos os avanços da humanidade infelizmente ainda é comum encontrarmos casos de preconceitos e discriminações por conta de supostas diferenças raciais.  Atualmente tanto em muitas leis, como nas práticas do cotidiano, o racismo é uma atitude que deve ser abolida.

No entanto, ainda tem muitas pessoas que nem sabem o que é, por isso, é bom esclarecer algumas dúvidas sobre esse assunto. 

E você sabe realmente o que é o racismo?

O racismo pode ser entendido como a tendência do pensamento, modo de pensar e agir, em que se dá grande importância à noção da existência de raças humanas distintas e superiores umas às outras. O racismo em outras palavras nada mais é do que achar que a sua “raça” é superior a outra.



As diferenças raciais, já foram comprovadas cientificamente, praticamente não existem. O racismo, assim, é considerado um conjunto de opiniões cuja função é valorizar as diferenças entre os seres humanos, em que algumas pessoas acreditam que são superiores as outras, entre outras coisas, por conta da cor da pele.

Como diz na música do cantor brasileiro Mv Bill o racismo é um "preconceito sem conceito que apodrece a nação". Não pense que você é melhor do que outra pessoa por não tem a mesma cor de pele. Não esqueça que racismo é CRIME!

Fonte:

Crédito da imagem:

segunda-feira, 30 de maio de 2011

Além do jardim...


Por Julia Juchem
“[...]
Muito além do jardim/
Há um mundo muito grande/
Para mim/ Muito além da TV/
Há um mundo de verdade/
Para Você/
Tire os pés do chão, ponha os pés na estrada/
Tire os pés do chão, ponha os pés na estrada/
Tire os pés do chão, ponha os pés na estrada
[...]”

Estrutura da barragem de Itá feita de pedra (como o significado do nome do município)
Ao escutar essa música chamada “Muito além” (composta pelo Edgard Scandurra e Arnaldo Antunes) lembrei-me da idéia do nosso blog e do projeto desenvolvido em nossas turmas de oitava série. O Projeto Pés na Estrada do Conhecimento já existe a mais de 10 anos no Colégio de Aplicação e oferece aos estudantes a oportunidade de exercitar a pesquisa, de aprender de um modo mais interativo e autônomo. Tudo isso, muda a nossa relação com o conhecimento e também nos torna pessoas mais responsáveis e comprometidas com o ambiente em que vivemos.

Em minha opinião, foi muito interessante ter feito a viagem de estudos à Itá com a proposta de nos levar a campo para entender as dimensões da luta pela posse de terra no Brasil. No caso de Itá, que fica no oeste de Santa Catarina, procuramos estudar a respeito das populações atingidas por barragens e seus impactos sociais, políticos e ambientais. Também foi interessante ter estado com a turma em período integral com nosso horário cheio de coisas diferentes para fazer e conhecer.

Numa cidade com uma população de 6000 habitantes, a chegada de dois ônibus lotados de adolescentes foi um acontecimento chamativo para os moradores que nos olhavam com curiosidade.

Nesse curto período de tempo (entre os dias 18 e 20 de maio) conseguimos aproveitar super bem o que nos foi oferecido. Não somente “sugamos” conhecimentos sobre o nosso projeto de pesquisa, como conseguimos aprender e descobrir informações interessantes sobre variados assuntos que fazem parte da vida de nossos entrevistados. 

Itá significa, em tupi-guarani, "pedra". O símbolo da pedra é uma coisa forte, que não se quebra com facilidade. Sendo assim, acho que os moradores antigos fizeram jus ao nome da cidade durante a mudança de vida. Esses provocaram em mim admiração, por sua força de terem conseguido reconstruir suas vidas quando parte de suas histórias foram literalmente alagadas pela barragem.

Aprendemos a ouvir, montando um quebra-cabeça de diferentes peças que nos eram dadas; histórias vividas e contadas.

Conhecendo as peculiaridades e histórias das pessoas que dividiram suas vidas conosco, eu cresci culturalmente confirmando que “além do jardim, há um mundo muito grande”.

 

Crédito das Imagens:
Imagem 1:  Barragem de Itá (Arquivo pessoal – Julia Juchem Ramos).
Imagem 2: Turma reunida em frente as torres da igreja alagada  (Arquivo pessoal – Fernando Leocino).

Fonte:
http://pesnaestradadoconhecimento.blogspot.com/ acesso em 29.mai.2011.


Obs.: Pessoal, fiz um perfil no Orkut para unirmos algumas fotos da viagem. Já coloquei lá as que eu tirei, se vocês tiverem alguma foto, por favor, me passem para tentar fazer com que todo mundo tenha acesso às fotos. O perfil é esse: http://www.orkut.com.br/Main#Profile?rl=as&uid=2061671578225061751