domingo, 16 de dezembro de 2012

O Preconceito: Onde, até quando e por quê?

por Vinícius Santos,
 
Em meio a milhares de pessoas diferentes e com estilos de vida diferentes, surge o preconceito. O preconceito, ah, o preconceito. Ele brota no meio da multidão, “criado” por indivíduos que de certa forma desejam ser superiores aos outros. Somente um olhar para a outra pessoa e já basta. Você tem sua mente uma opinião formada sobre tal pessoa, independentemente de quem ela seja. Como consta no dicionário, preconceito: “Conceito formado antecipadamente e sem fundamento sério; pré-conceito; superstição; erro”.
Creio eu que o preconceito é uma forma que algumas pessoas encontram de se sentirem superiores aos outros, pois precisam de certa forma “encher seu ego”. Esses indivíduos criaram um certo padrão à sociedade, em que se você não estiver dentro dele, não fará parte desta. Esse padrão são características que o preconceituoso tem ou queria ter.
Que mania é essa que as pessoas têm de achar que se não é igual ao seu, não é o certo? Na vida não existe exatamente o certo e o errado. É tudo uma questão de ponto de vista. Eu posso gostar de usar azul, enquanto você usa rosa. Do meu ponto de vista, eu estou “certo” e do seu ponto de vista, você está “certo”. Agora o que cada um acha do outro não importa, pois cada um tem sua vida, suas escolhas. Assim como eu ser hétero e você homossexual: Cada um tem seu ponto de vista, suas decisões e não cabe a ninguém julgá-las.
Apesar do exemplo da época da escravidão, o preconceito contra negros ainda é muito presente. Até quando isso vai durar, hein povo? A escravidão já não serviu para lhes mostrar que independentemente de cor ou dinheiro, o que importa na pessoa é o caráter? O processo de escravidão no Brasil foi o auge da pequenez da alma humana. Em vez de se tornarem superiores, os senhores escravistas mostraram-se extremamente inferiores, com “mentes pequenas”. Depois de mais de um século da abolição da escravatura, por que ainda há tanta discriminação com os negros? Mesmo tendo diferenças, todos nós somos de certa forma iguais.
Se o ser humano tem tanta capacidade de pensar, por que não usamos a cabeça para nos “colocarmos em nosso lugar”, e entender de vez que não importa cor, opção sexual ou classe social, todos nós fazemos parte de uma sociedade, todos nós temos direitos iguais, capacidades iguais.
 A educação em casa e na escola, e principalmente a convivência com essas pessoas que você considera diferentes, são os melhores remédios para demonstrar que não são essas diferenças que farão de você alguém pior ou melhor.

Será o fim?

por João Guilherme,



Segundo o calendário Maia, o fim do mundo ocorrerá no dia 21 desse mês. Muito já se foi falado e especulado a respeito do fim do mundo, muitas pessoas concordam com os Maias e acham que o mundo irá realmente acabar do dia 21, mas também muitas pessoas acham o contrário. Mas será que o mundo realmente vai acabar?
Sabemos que os Maias eram extremamente sábios, e também eram muito avançados em conhecimento científico. Muitas das coisas que eles previram, acabaram acontecendo com eles, como a chegada do homem branco em 1519. O calendário Maia é altamente complexo e preciso, eles criaram esse calendário com bases astrológicas e matemáticas.

A Nasa divulgou um vídeo de resposta às várias teorias que se popularizaram sobre o fim do mundo em dezembro de 2012. Nele, o cientista do Laboratório de Propulsão de Jatos Don Yeomans discorre sobre cada uma das hipóteses mais conhecidas e explica por que elas não se concretizarão.
Ele explica que toda essa comoção em volta do dia 21 de dezembro de 2012 começou com o calendário Maia, que terminaria neste dia. Mas, segundo o cientista, o que está indicado no calendário é o fim de um ciclo e o início de outro, não o apocalipse. Ele o compara com a forma em que nós contamos os anos – todos os dias 31 de dezembro um ciclo termina, para outro começar no dia 1 de janeiro.

O especialista da Nasa fala sobre Nibiru, um planeta que seria quatro vezes maior do que a Terra, também conhecido como “Planeta X”. Segundo outra teoria do apocalipse, esse astro estaria em uma rota de colisão com a Terra. Para Yeomans, é impossível que ninguém tenha detectado Nibiru se aproximando, se isso realmente estiver acontecendo.
“Tem gente que acredita que a Nasa está escondendo essas informações. Mas existem milhares de astrônomos fora da organização que olham para os céus todas as noites. Com certeza, eles teriam notado essa movimentação”, argumenta o cientista.

Outra hipótese é a de uma grande tempestade solar que aconteceria no dia 21 de dezembro seria a razão do fim do mundo. Este tipo de evento, realmente está se tornando mais frequente – isso porque o Sol passa por ciclos e seu período de maior atividade está previsto para o fim deste ano e o começo de 2013.

Referência:
http://revistagalileu.globo.com/Revista/Common/0,,EMI299017-17770,00-CIENTISTA+DA+NASA+EXPLICA+POR+QUE+O+MUNDO+NAO+VAI+ACABAR+EM.html

 Créditos da imagem:
http://www.portalsaofrancisco.com.br/alfa/calendarios/calendario-maia

Conflitos entre etnias: Hutus e Tutsis

por Leo,


Após a conferência de Berlim, que aconteceu entre 1884 e 1885, a Alemanha ficou com algumas partes do continente africano. Mas após a Primeira Guerra Mundial, a Bélgica acabou ficando com a parte da Alemanha, que hoje se chama Ruanda e Burundi, dentre outras.

A Bélgica tinha a estratégia de "dividir para reinar" e logo botou isso em prática separando os povos que habitavam aquele território. Antes da divisão politica da África, em Ruanda e Burundi, viviam grupos étnicos como os hutus e os tutsis, ambos conviviam pacificamente mesmo havendo entre eles uma grande diferença numérica¹.

Vendo isso a Bélgica aplicou sua estratégia, dando privilégios para os tutsis (que eram a minoria) e não dando nada para os hutus (que eram a maioria). Os tutsis passaram a frequentar a escola², a receber cargos elevados, passaram a ser diferenciados dos hutus, tudo isso para que os dois grupos se confrontassem.
 
Em 1959, os hutus não conseguiram mais segurar seus ressentimentos e deu-se início a rebelião. Milhares de tutsis são aprisionados e têm seus pés cortados a golpes de facão, para diminuir a diferença de estatura, e simbolicamente diminuir as diferenças sociais entre os dois povos.
 
Esse conflito se agrava cada vez mais, ficando sem controle. Até que em 1993 os grupos entram em acordo de paz, por terem representantes das duas etnias no poder. Mas esse acordo não durou muito tempo, em 1994 um atentado ao avião que transportava o presidente Juvénal Habyarimana acaba fazendo os hutus se revoltarem novamente contra os tutsis, e neste mesmo ano acontece um dos maiores genocídios³, tento a morte de milhares de pessoas destes dois povos étnicos.

A estratégia imposta pela Bélgica de "dividir para reinar" acabou causando este imenso conflito, e por consequência disso milhares de homens, mulheres e crianças destes povos perderam suas vidas. E antes dos alemães e os belgas chegarem a Ruanda e Burundi, estes povos viviam pacificamente, em harmonia.

Agora eu pergunto a vocês, como alguém pode chegar, tomar um lugar (território), dividir seus habitantes (para que possa com isso reinar), e achar que isso é normal? Causar a morte de milhares de pessoas, seres humanos, tudo por causa da ambição, do poder.
  
Cada vez que estudamos e olhamos para o passado histórico  vemos como os seres humanos são ambiciosos, e fazem de tudo para conseguir o que querem, passando até por cima de pessoas, gente que nem eles, mas que não são vistos assim pelos mesmo. É lamentável saber que isso acontecia e era "normal" para os reis e os países da época.

Referência: (Wikipédia: Genocídio em Ruanda <http://pt.wikipedia.org/wiki/Genoc%C3%ADdio_em_Ruanda>)
_______________________________________________________________________________
¹ Os Hutus somavam 85% da população, e os Tutsis somavam apenas 15%.
² Os Bélgas estabeleceram uma altura minima para quem quisesse frequentar a escola, isso porque os tutsis eram mais altos do que os hutus.
³ "Mais de 500.000 pessoas foram massacradas. Quase todas as mulheres foram estupradas. Muitos dos 5.000 meninos nascidos dessas violações foram assassinados." (Wikipédia: Genocídio em Ruanda <http://pt.wikipedia.org/wiki/Genoc%C3%ADdio_em_Ruanda>)

Onde começa a violência?


por Rhanna,

O número de homicídios e casos de violência só aumentou nestes últimos anos. Segundo Francisco Carlos, professor de História Contemporânea da UFRJ, “De meados do século XIX até esse ano, ocorreram 177 ataques a escolas americanas de Ensino Médio e 111 de Ensino Básico. Mas quando pegamos as décadas de 80, 90 e 2000, são quase um ataque por mês dentro dos EUA”. Recentemente, podemos perceber mais um grande caso de violência.


Na sexta-feira, 14 de dezembro, Adam Lanza, um homem de 20 anos, entrou no seu ex-colégio, Sandy HookElementarySchool,localizado em Newtown, Estados Unidos. Ele acabou disparando balas e matando no mínimo vinte crianças, seis adultos e a si mesmo.

A causa disso tudo ainda não foi descoberta. Mas porque alguém tiraria a vida de outros sem a mínima razão? Pessoas que, provavelmente, ele nem conhecia. Crianças inocentes que tinham muito o que viver ainda. Aparentemente, ele era um jovem inteligente que adorava jogar videogames de tiros. Mas será que esses jogos incentivam mesmo a violência na vida real? Além disso, segundo conhecidos, a mãe dele o levava para atirar e era colecionadora de armas. Por que uma mãe incentivaria o seu filho a usar uma arma? Será que ela não tem uma parte de culpa pela morte dessas pessoas?

No entanto, nem tudo está acabado, ainda há pessoas que zelam pelo bem-estar de outras. A tragédia só não foi maior ainda porque alguns professores ouviram disparos e agiram para salvar as crianças. Victoria Soto, uma das professoras deste colégio, escondeu seus alunos dentro de um armário o qual ficou na frente e acabou morrendo. Apesar de serem poucos, ainda estão presentes casos em que as pessoas colocam a própria vida em risco para salvar os outros.

Referências:
http://g1.globo.com/mundo/noticia/2012/12/atirador-forcou-entrada-em-escola-onde-ocorreu-massacre-diz-policia.html>. Acesso em: 15 dez. 2012.
http://g1.globo.com/globo-news/noticia/2012/12/ultimas-decadas-tiveram-quase-um-ataque-por-mes-diz-professor.html>. Acesso em: 15 dez. 2012.
http://g1.globo.com/mundo/noticia/2012/12/obama-pede-solidariedade-nacional-apos-massacre-em-escola.html>. Acesso em: 15 dez. 2012.
http://g1.globo.com/mundo/noticia/2012/12/atirador-voltou-a-escola-onde-estudou-mas-desta-vez-como-assassino.html>. Acesso em: 15 dez. 2012.
http://g1.globo.com/mundo/noticia/2012/12/professora-morreu-protegendo-alunos-em-escola-nos-eua-diz-tv.html>. Acesso em: 15 dez. 2012.

sábado, 15 de dezembro de 2012

Ser Mané

por Leonardo Pedro dos Santos,
 
 
 Ser mané é morar em Florianópolis, ter o pai pescador, comer peixe quase todo dia, principalmente na época da tainha, saber todos os tipos de peixes como, por exemplo: Papa Terra, Anchova, Corvina, Tainha, etc.

Ser mané é falar de um jeito engraçado e diferente, de um jeito que só mané entende, falar palavras como: ixtepô, boca mole, coxa colada, tax tolo, entre outras.
 
Ser mané é ser torcedor do Figueira ou do Avaí, que são times da ilha. É ser aquele torcedor chato que acha que sabe de tudo, que vai com o radinho ver o jogo.
 
Ser mané é gostar de morar na Ilha, não gostar muito de visitantes (moradores novos). Preferir os moradores antigos.
 
Ser mané é ir pra praia na época da Tainha pescar, (tacar a rede), gritar “cérca”, “puxa a rede”. E no final da pesca sair bem feliz por ter conseguido uma boa safra.
 
Ser mané é fica furioso quando alguém rouba seu peixe, a ponto de sair atrás gritando “Ti doli uma surra, seu ixtepô”.
 
 
Ser mané é ser nativo da Ilha de Florianópolis. É ser conhecido como Manezinho, por ter um sotaque engraçado, preferir a Ilha do que qualquer outro lugar. É ser reconhecido também pela sua cultura, seu jeito de ser. E se destacar pela sua humildade e honestidade, qualidades estas que são as marcas registradas dos manezinhos.

Pobreza na Índia, o sistema de castas pode contribuir com ela?


por Felipe,

Na Índia existe uma divisão de classes onde, quem foi posto em uma casta pobre , será forçado a trabalhos de baixa renda, esse sistema é muito injusto pois a pessoa sempre manterá sua riqueza ou pobreza.

O sistema de castas  está organizado em colocar os crentes hindus em classes sociais. Baseado na crença milenar hinduísta, em que as pessoas nascem com destino e posição determinadas na sociedade, na casta que nasceu deverá permanecer nela até morrer, para cumprir a lei dharma, cumprir seus deveres. Por exemplo, a pessoa segue a casta dalit, uma casta pobre, ela deverá ficar sempre pobre para cumprir a lei, e assim fazendo o karma . Uma lei que ajusta todo mal ou todo bem que tenham feito nessa encarnação, e terá consequências boas ou ruins para próximas reencarnações. Então não há possibilidade de progresso na vida em que foi posto, ele pobre continuará pobre, ele rico continuará rico.

O povo dalits  são muito apegados às suas crenças. Os Dalits são vítimas de uma opressão múltipla, são excluídos de todo bem público e suas mulheres são violentadas e são obrigadas a se prostituirem, eles são considerados piores que o chão, geralmente vivem na rua tem alto índice de mortalidade infantil, em torno de 10%; 66% dos dailts são analfabetos, porque geralmente não conseguem vagas nas escolas, pois os crentes afirmam que ao tocar nos dalits são contaminados.

 Conclui que o sistema de casta na Índia, pode contribuir com a pobreza pois, os que pertencem as castas mais pobres sempre serão pobres, em função do sistema que o impediu de crescer na vida. Não acho justo. Se essa divisão acabasse iria diminuir o índice de pobreza na Índia, mais cultura não se discute. Claro que também a Índia é um país subdesenvolvido e tem seus problemas econômicos, isso ajuda aumentar o índice de  pobreza. 

Referências:
http://ebraelshaddai.wordpress.com/2009/09/13/a-crueldade-do-sistema-de-castas-na-india/
http://www.almacarioca.net/o-que-e-um-daliti-lu-dias/

Já é hora de investir no futuro


por Maylin,

            Como é de conhecimento de todos, a copa de 2014 vai ser realizada no Brasil. Por um lado isso é uma coisa muito boa, pois além de ser um sonho brasileiro, cresceremos em relação as obras nas estradas para o melhoramento da mobilidade urbana, turismo aumentará, bem como o   incentivo ao esporte. Por outro lado, não temos infra estrutura para um evento tão grande que une diversos países, pois um lugar como o Brasil que está denominado de “em desenvolvimento”, ao invés de investir nos seus pontos fracos, baixa saúde e educação, é iludido pelo grito da torcida quando a bola entra no gol e o apito final de cada jogo esforçado, e então a gente se pergunta – Será mesmo que a copa do mundo é a nossa maior prioridade?

Sem dúvida a educação nunca foi levada a sério nesse país, tudo é prioridade, menos a educação e saúde. Em minha opinião as pessoas que aqui vivem deveriam ser as coisas mais importantes, e as prioridades deviam estar relacionadas a qualidade de vidas delas, pois sem nós o país não seria “nada”, e se isso não mudar como vai ficar o futuro do Brasil? Somos o futuro do Brasil.

 Por falta de marketing e a existência de opinião sobre as quais não se tem domínio, o povo vira mudo, como é o caso da segurança e da saúde. A educação passou a uma posição secundária, o que dificulta considerá-la prioridade. Os governantes acreditam que meras propagandas disfarçadas, que pelo menos ilude o povo, resolvem os problemas, e os setores “antigos” da sociedade, já que agora parece que pensar por si próprio é perigoso ou ao menos errado.

Aos olhares da mídia o futebol é a realidade brasileira.“Os outros jogam por nós”, mas se parar para pensar eles estão jogando por eles, afinal é a carreira que eles escolheram seguir, e graças a nós, os torcedores, eles recebem um bom salário (a maioria). Enfim, no final das contas quem paga as despesas é o povo, sendo assim, uma sociedade mais pobre em aspectos financeiros e culturais. Tudo isso gera uma grande quantidade de analfabetos políticos, que acabam votando no candidato que fala mais mentiras, que ilude mais... Isso não é fundamental e básico para a construção de um país melhor para todos.

sexta-feira, 14 de dezembro de 2012

PORMENORES - parte III


por Laura,

Uma semana se passou desde que eu recebi o caderno, e uma semana que o shinigami apareceu na minha sacada.

Eu estava me sentindo mentalmente cansada, tinha tido várias provas durante a semana e ainda tinha o problema do caderno, eu não sabia o que fazer com ele, não podia deixá-lo em casa, segundo Akira, todos que tocassem o caderno poderiam vê-lo e ouvi-lo (o que me daria uma baita dor de cabeça).

Além disso , eu tinha que e decidir, se iria ou não com Akira para o mundo dos shinigamis, mas segundo ele isso podia esperar. O detalhe é que eu quero ir, mas para isso tenho que dominar o uso do caderno.

E o caderno é cheio de pequenas regras.

Tinha muita coisa além daquele trecho escrito na capa do caderno, todas as regras que Akira me fala eu copio em um caderninho que cabia no meu bolso.

- Sabia que a sua aula é um saco? – ele disse enquanto voltávamos da aula.
- Eu sei – disse, se bem que nos últimos dias nem tenho prestado atenção. Nas aulas que não são provas prefiro discutir sobre o caderno com o shinigami – eu posso controlar as pessoas antes delas morrerem certo?
- Desde que não seja algo impossível.
- Certo, seria pedir muito se o caderno fizesse tudo, não teria a menor graça.
- Você vai escrever algum nome?
- Sim, vou testar até onde o caderno pode controlar as pessoas.

Fui para casa e agora estou escrevendo nomes de pessoas que eu acho que deveriam morrer e fazer parecer acidente, nem me afetava mais, ficou corriqueiro para eu tirar vidas, talvez fosse parte do processo para se tornar um deus da morte. Chame-me de psicopata o do que você quiser, não me interessa.

- Sabia que quando um shinigami mata uma pessoa, o tempo de vida que ela tinha é transferido para o shinigami?
- Sabia que você já me falou isso umas mil vezes?
- Sério? – ele disse sarcástico.
- Daqui a pouco vou acabar escrevendo seu nome aqui... – ameacei, mas não tive o resultado esperado, Akira riu com gosto, como se eu não pudesse mata-lo.
- Você não pode matar um shinigami dessa forma.
- Como eu mato um? – parei de escrever.
- Eu não faço a menor ideia – ele disse, a sombra de um sorriso ainda estava em seu rosto – sou um shinigami novo.
- É inútil – voltei ao meu trabalho. Isso fez ele se calar, por meia hora pelo menos.
- Que morte exige tanto esforço?
- Eu não disse que ia testar a veracidade do caderno?
- O que você escreveu?
- Não te interessa, odeio quando a pessoas leem o que eu escrevo, mesmo que você não seja mais uma pessoa.
- Pelo menos me diz,shinigamis também ficam curiosos.
- OK, se não você vai continuar a me irritar e vai pedir um hambúrguer, certo?
- Sim, e hambúrgueres são bons.
- Deuses da morte não precisam comer, por que você gosta tanto de hambúrguer?
- Sou guloso – ele deu de ombros – e não se desvie do assunto.
- Certo, certo, - eu disse enquanto me jogava para traz na cadeira – o primeiro vai se suicidar e deixar uma carta, o segundo vai ser atropelado enquanto caminha na rua e o terceiro vai morrer com uma bala no meio da cabeça enquanto tenta assaltar uma loja no centro da cidade em que ele vive.
- Só três? Você levou um tempão só para escrever três mortes!
- Não enche.
- Olhe que eu te mato.
- Você não pode. Só se eu disser que não vou para o mundo dos shinigamis com você.

Ele fez uma careta esquisita e se deu por derrotado, senti o doce gosto da vitória, seria melhor ainda se os donos dos nomes que escrevi morressem da forma que eu desejei e na hora que eu estipulei.
- Sabe de uma coisa?

Ele sempre diz isso quando vai falar algo que tenha relação com o caderno.
- O que?
- Shinigamis só precisam olhar para o rosto de um humano para saber o seu nome e o seu tempo de vida.

Agora, isso é interessante, seria uma habilidade incrível para qualquer um que tenha o caderno. Parei de arrumar minha mesa e virei-me para ele.
- Como?
- Os olhos de um shinigami são especiais. Se você se tornar um, vai ter esses olhos e também um par de asas.

Ótimo, mais uma coisa para quando eu virar um shinigami. Ele realmente quer que eu me torne um deles, às vezes, tenho a impressão de que essa é a missão dele.
- Ei, Akira – disse enquanto me levanto e vou para a cozinha.
- O que Paula?
- Por acaso é sua obrigação me levar para o seu mundo?
- Digamos que sim.

Ele não falou mais nada por mais que eu perguntasse, suas respostas eram vagas e curtas havia algo que ele não queria me contar.

quinta-feira, 13 de dezembro de 2012

Carta de Iniciação Científica


por Laura,

Este ano foi definitivamente diferente do último, para começo de conversa eu mudei de escola e tive uma disciplina nova, a Iniciação Cientifica, ou só IC.
No começo eu não sabia do que se tratava e estava meio perdida por não saber nada sobre o projeto (o objetivo do projeto é estimular o gosto pela pesquisa), pois não havia participado da primeira reunião e meu grupo não conseguiu me explicar muito bem sobre o trabalho foi meio complicado trabalhar com eles principalmente por eles não levarem o material necessário.

Mas apesar de ter caído de paraquedas no meio do projeto, eu tinha o professor orientador para me ajudar, é bastante bom trabalhar com alguém para te orientar e não ficar jogado a esmo no escuro.
Foi muito complicado terminar o primeiro projeto, fiz o máximo que pude para terminá-lo a tempo e apresentá-lo no prazo, não foi um dos meus melhores trabalhos, no entanto foi o suficiente.

Apesar de ter chegado no meio do trabalho sem ter muita noção de como realizá-lo, foi bem legal trabalhar com as pessoas de outras salas, quebrou a rotina de sempre fazer trabalhos com as mesmas pessoas.
A segunda fase foi, sem dúvidas, melhor do que a primeira. Principalmente por causa da viajem para Minas Gerais, foi muito interessante e foi uma viagem essencial para a realização do meu projeto, que envolve a arte sacra do período do Barroco Mineiro, além do mais foi muito instrutiva e interessante, pudemos ver os resultado do que realmente foi feito lá.

Lá nós visitamos as cidades históricas (Mariana, Tiradentes, São João D’el Rei e Ouro Preto), cada uma com suas inúmeras igrejas, todas bem decoradas com ouro e cheias de adornos.
Depois que voltamos de Minas tivemos que montar um audiovisual que apresentamos na SEPEX, semana de pesquisa, ensino e extensão onde nós apresentamos nossos audiovisuais, no começo estávamos meio tímidos, mas depois nos soltamos. Foi muito interessante apresentar na SEPEX, pois não apresentamos apenas para os nossos colegas, apresentamos para todas as pessoas que passaram por nosso estande.

Acho que foi uma das coisas que mais valeu a pena, mesmo quase morrendo de fome naquele dia.
Acho que desde o começo achei que o projeto seria desse jeito, não tinha muito planos para essa disciplina tem sempre tanta coisa na minha cabeça...

Ter participado do projeto foi muito importante pois me ensinou que eu não posso ficar parada esperando que as informações que eu preciso para fazer alguma pesquisa entrem na minha cabeça, me ensinou que eu devo ir atrás do conhecimento por conta própria.

segunda-feira, 10 de dezembro de 2012

A História do Brasil através de um vampiro



por Rhanna,

Li o livro “O vampiro que descobriu o Brasil” para a aula de Língua Portuguesa, eu pensava que fosse só mais uma daquelas histórias de vampiros que têm em todo lugar após o sucesso da saga Crepúsculo. Porém, fiquei surpresa ao ler as 125 páginas escritas por Ivan Jaf e publicadas pela primeira vez em 1999, pela editora Ática em São Paulo. O autor carioca nasceu em 1957, foi fotógrafo, pintor, roteirista e fez mais de quarenta livros, como: “Um anarquista no salão” e “sonho de minhoca”.

O personagem principal é Antônio Brás, um vendedor de Lisboa, que foi transformado em vampiro, em 1500. Domingos, um outro vampiro, conta que para ele voltar a ser humano deve espetar uma estaca em quem o transformou e aspirar as cinzas do mesmo, que é conhecido como Velho.

Antônio acaba entrando em um dos navios de Cabral, já que estava procurando o vampiro, e chega no Brasil. O velho suga o sangue de pessoas e quem acaba sendo culpado são os índios, já que são tão diferentes dos “ricos” estrangeiros que ocuparam seus lares. Os corpos apareciam sem sangue e com dois furos no pescoço, como não acreditavam em vampiros, colocavam a culpa toda nos indígenas.

O novo vampiro tinha seu próprio negócio, onde era vendedor. Porém, ao chegar no Brasil, começa a acumular riquezas roubando em jogos. Ganhar era moleza para ele, já que tinha poderes, como: ler pensamentos e sentir a vontade das pessoas.
Antônio observa grandes acontecimentos e mudanças que ocorreram no Brasil, porém um pouco modificados pela criatividade do autor. Segundo o vampiro, o Velho estava presente em diversos acontecimentos, como na Inconfidência Mineira quando era o governador da capitania de Minas Gerais e na festa da família real onde era o Dom João VI. Obviamente, eles não eram vampiros realmente, assim como a lenda da mula sem cabeça contada no livro não é igual as das lendas, onde ela era uma mulher e não uma jumenta-vampira.

Um dos aspectos mais interessantes do livro é que há nas margens, textos explicando algumas palavras existentes na narrativa. Como a história é mais juvenil, os leitores não conhecem alguns termos e lendo as informações adicionais fica mais fácil de compreendê-las.

Achei o livro bem interessante, com uma leitura mais leve, pois ao mesmo tempo em que conta a história do Brasil, descontraí com a busca pelo Velho. O final é surpreendente, eu não havia pensado nisso. O foco narrativo está mais centrado nos acontecimentos e mudanças do nosso país, pois acredito que seu objetivo é contar a história da ex-colônia de Portugal e para acompanhá-la até os dias de hoje só sendo mesmo um vampiro. Recomendo a leitura, pois em poucas horas aprendi a história do Brasil e me diverti com a ironia de Ivan Jaf.

Imagem retirada do site: . Acesso em: 09 dez. 2012.

domingo, 9 de dezembro de 2012

Animais: se você ama uns, porque come outros?


por Maylin,

Desde que se sabe da existência humana temos conhecimento que o ser humano come carne, isso porque não tínhamos o conhecimento do plantio e não sabíamos preparar os alimentos como cozinhar, misturar sabores, entre outras coisas. Ao longo da evolução as pessoas foram tendo mais opções de comida e agora somos a única espécie que pode escolher o que comer.

Do meu ponto de vista comemos carne, pois é uma necessidade do organismo e é um costume, pode-se chamar até de “tradição” porque é normal os amigos ou a família se reunirem para comer um churrasco em um Domingo, por exemplo, porém somos seres pensantes e isso pode começar a mudar, se não mudar agora esses hábitos talvez, no futuro, isso mudará de uma forma radical, como por exemplo, problemas de saúde.

As pessoas estão começando a rever mais seus conceitos em relação ao abundante consumo de carne, alguns por questões de malefícios a saúde (engorda e pode muitas vezes entupir veias), outros, por respeito aos animais, porém não é tão fácil parar de comer carne, e também não é recomendado parar totalmente, pois nela existem elementos que são importantes para o nosso organismo. Uma solução para esse problema é que a carne pode ser substituída por outras coisas, como soja, frutos secos e sementes, leguminosas, seitan, tofu, tempeh, cereais, e algas. As pessoas que passam a fazer isso são chamadas de vegetarianas. Mesmo substituindo alguns elementos importantes da carne, depois de um tempo sem o consumo o nosso corpo precisará da proteína de carne de animais, proteína animal, pois além de ser essencial para nosso corpo só se encontra essa vitaminas na carne dos animais.

Antigamente o vegetarianismo era uma cultura mais ligada à religião. Começou a virar um comportamento na década de 1960 com a cultura hippie, hoje em dia pode ser chamada de “modismo”.

As indústrias de alimentos animais esta produzindo cada vez mais, ou seja, as pessoas estão consumindo cada vez mais, e, além disso, as indústrias estão dando hormônios para a alteração do metabolismo, acelerando o crescimento do animal. Além de ser um maltrato aos animais, faz muito mal a saúde.

Enfim, temos muitas opções de comidas e é sua escolha questionar “se ama alguns animais, porque come outros?”, afinal somos todos iguais.

O vídeo a seguir fala sobre isso, boa reflexão! 

Vídeo:
http://www.vegetarianismo.com.br/sitio/



Fontes de pesquisa:

http://www.sociedadevegana.org/index.php?option=com_content&view=article&id=25:vegetarianismo&catid=18:textos-fundamentais&Itemid=15

http://www.jornaldomercadopoa.com.br/index.php?view=article&id=221%3Anutricionismo-valor-e-importancia-da-carne-na-alimentacao&option=com_content&Itemid=117
http://bemzen.uol.com.br/noticias/ver/2011/06/20/2631-alimentacao-vegetariana

Fontes de vídeo:
http://www.vegetarianismo.com.br/sitio/


Jogos de first person shooter (FPS)


por Felipe,

Os jogos baseados nesse estilo “tiro em primeira pessoa”, na minha opinião é um gênero de jogo dos mais interessantes  do século XX , normalmente o estilo dos jogos FPS, consiste em um personagem que empunha uma arma, pistola ou faca que, em diversos cenários, matam os outros personagens, ao término da partida ele ganha uma quantidade de dinheiro onde compra arma melhores incentivando o uso do jogo.

C.S (Counter Strike) foi um dos jogos mais conhecidos em primeira pessoa, muitas pessoas gostaram e foi aí que  aconteceu a febre pelo jogo, estimulando outros criadores a inventar jogos com melhores gráficos e com mobilidade melhor. Geralmente esses jogos tem um objetivo de destruir um ponto “A”  plantando uma bomba mais conhecida como “C-5”, normalmente um grupo de  terroristas que fazem isso, mas para ter um conflito existe os policias que devem impedir os terroristas contra a destruição do ponto A.

 A parte ruim é que esse tipo de jogo é muito viciante e empolga os jogadores a gastar dinheiro , ou seja, compram em agências bancárias com o dinheiro real. As pessoas que estão extremamente viciadas nesse tipo de jogo normalmente tiram notas ruins na escola e ficam tempo todo querendo jogar sem se importar com mais nada.    

                                                                                                      
Referência:
http://www.tecmundo.com.br/jogos/1950-a-historia-do-fps-.htm

sexta-feira, 7 de dezembro de 2012

O fator X

  por Rhanna,

The X Factor é um reality musical produzido pela empresa de Simon Cowell, criador, jurado e mentor neste. Ele foi originalmente criado na Grã-Bretanha, em Setembro de 2004, e já tem versões em vários outros países, como Austrália e Estados Unidos. Segundo o site The X Factor Brasil', “O The X Factor (Fator X) que dá nome ao programa significa o “algo mais” que representa a qualidade de uma verdadeira estrela”.

Atualmente, a versão britânica está na nona temporada e restam apenas quatro participantes. Enquanto a americana está na segunda temporada e restam oito participantes, sendo que seus jurados são o Simon Cowell, o produtor musical L.A. Reid e as duas cantoras Britney Spears e Demi Lovato.

Nos primeiros episódios é demonstrado os jurados indo de cidade a cidade assistir as audições, sendo que para passar para o Bootcamp deve-se receber no mínimo três “sims” dos quatro jurados. Nessa fase os candidatos se apresentam na frente de todos os outros e de seus mentores. Logo após, os jurados escolhem seis pessoas para cada um dos quatro grupos. No caso dessa segunda temporada dos Estados Unidos, os candidatos foram separados entre The Young Adults, The Teens, The Groups e The Overs 25s. Os selecionados vão para as JudgesHouses, ondes se apresentam na frente do seu mentor e uma pessoa da área que é convidada por este, sendo que apenas quatro de cada grupo poderá continuar. A próxima etapa é o Live Show, onde cada participante se apresenta na frente dos jurados e de uma grande plateia. Os jurados comentam sobre cada um e, no dia seguinte, saí os resultados das votações realizadas pelos estadunidenses, onde o menos votado ou os menos dois saem.

Grandes artistas são encontrados nesse programa, há pessoas com histórias fascinantes. E mesmo não ganhando, há diversos participantes que fazem sucesso após o programa, como a Cher Lloyd e Onedirection, ambos participantes da sétima temporada do The X Factor UK.
Eu tenho assistido o dos Estados Unidos, é realmente muito viciante e divertido. Nos vídeos a seguir está Carly Rose Sonenclar, uma das candidatas de apenas 13 anos da atual versão americana. No primeiro, há ela na sua primeira apresentação, já o segundo mostra Carly no Live Show.



Referências: 
O Programa. Disponível em: http://www.thexfactor.com.br/o-programa/>. Acesso em: 30 nov. 2012.
The X Factor USA. Disponível em: http://queromorrersuaamiga.com/2012/11/07/931/>. Acesso em: 02 dez. 2012

Imagens retiradas: Disponível em: http://www.3news.co.nz/X-Factor-NZ-confirmed/tabid/418/articleID/269350/Default.aspx>. Acesso em: 02 dez. 2012.

Surfe estudantil


por Maylin,

Você já ouviu falar sobre surf estudantil? É um evento realizado pela Quiksilver, desde 2003, que acontece nos dias 20 e 21 de outubro,no qual,várias escolas públicas e particulares de Florianópolis se reúnem na praia Mole (leste da Ilha de Santa Catarina), para realizar uma competição de surfe, skate, “escultura na praia”, “arte na praia”, remada, e “garota Roxy”. O campeonato divulga campanhas como a de doação de sangue e a da preservação da beleza das praias. No dia do campeonato entre cinco e dez pessoas de cada colégio, devem doar em torno de 450ml de sangue, seguindo algumas normais que podem ser encontradas no site http://craud.net/int_radicais.php?id=2595.

No final do campeonato e feito um mutirão de lixo, no qual os estudantes, professores, amigos, enfim, todos que quiserem, fazem uma caminhada pela praia recolhendo todo lixo que encontrarem. No final o lixo é pesado e pode servir também para as escolas arrecadarem pontos,com um determinado peso de lixo, decidido por comparações entre as escolas.

A competição de remada, skate e surfe é organizada assim, cada escola inscrita deve selecionar um aluno para a categoria masculina, e uma para a categoria feminina entre o 9º ano e 3ºano do ensino médio,essa seleção é feita da forma que a escola achar melhor.


A “arte na praia” e a “escultura da praia” são competições mais abertas, pois além dos estudantes as pessoas das torcidas da escola também podem participar. Na “escultura da praia” os participantes são de um número limitado, desde que tenham alguma relação com a escola participante. Usando água e areia os participantes tem 120 minutos para terminar a escultura de um determinado tema que é escolhido na hora da competição. Na competição de “arte na praia” a escola deve indicar um de seus membros (aluno/torcida) para criar uma arte/desenho com uma cartolina branca e lápis de cor (material distribuído na hora) de um determinado tema escolhido no começo da prova, o aluno tem 60 minutos para completar a prova.


No final do campeonato é feito um desfile, no qual, cada escola escolhe uma estudante para desfilar com os biquínis Roxy, elas são julgadas e na colocação de primeira, segunda e terceira, são ganhos pontos para a sua escola, chama-se “garota Roxy”.
Esse evento, em minha opinião, é muito importante para a formação dos alunos de todas as escolas, pois além de ser um lugar onde se conhece mais pessoas, se diverte e aprende a respeitar mais as pessoas e o meio ambiente, estimula o esporte, apreservação/cuidado com a natureza, a coletividade e a saúde. Por isso, provavelmente, o número de pessoas presentes está aumentando cada vez mais, este ano foi surpreendente, mais de quatro mil pessoas.

Com 41 pontos o colégio vencedor foi o Tendência, veja a tabela do resultado final abaixo.

Resultado final:
1º Curso e Colégio Tendência: 41 pts
2º EB Acácio Garibaldi: 39 pts
3º Autonomia: 38 pts
4º Estimoarte: 37 pts
5º EB Castelo Branco: 36 pts
6º Cruz e Sousa*: 34 pts (venceu no critério de desempate)
7º EB Antonio Apóstolo: 34 pts
8º IFSC: 30 pts
9º EB Dom Jaime: 27 pts
10º Dinâmica: 26 pts
11º EB Dilma Lúcia: 25 pts
12º IEE*: 24 pts (venceu no critério de desempate)
13º Energia Barreiros 24 pts
14º CEB: 18 pts
15º Militar: 11 pst
16º Aplicação: WO

Espero que tenham gostado de saber um pouco sobre o surfe estudantil, e se seu colégio ainda não participa desse evento fale com os diretores, pois é fácil de inscrever-se. Até a próxima.



Referências:
http://wp.clicrbs.com.br/nasondascombanana/2012/10/09/quiksilver-surfestudantil-2012-na-mole/?topo=84,2,18,,,84
http://craud.net/int_radicais.php?id=2595
http://wp.clicrbs.com.br/maraberto/2012/10/22/colegio-tendencia-e-bicampeao-do-quiksilver-surfestudantil-2012/?topo=67,1,1,,30,e179

Créditos das  imagens:
http://paginaaberta.net/wp-content/uploads/2012/10/tn.jpg
http://wp.clicrbs.com.br/nasondascombanana/files/2012/10/Arte-na-Praia.-Escultura-na-areia.-Foto-Arquivo-Surfestudantil-2.jpg
http://wp.clicrbs.com.br/nasondascombanana/files/2012/10/Surfista-Doador-Hemosc-e1349800240997.jpg
            



quinta-feira, 6 de dezembro de 2012

UM ESTILO DE MÚSICA CHAMADO RAP

por Vinícius,



 Criado na Jamaica por volta de 1960 o rap tem uma batida rápida e acelerada, acompanha de uma letra geralmente falando dos problemas e dificuldades enfrentadas por habitantes de bairros pobres de grandes cidades, com bastante informação e pouca melodia.
  
O rap normalmente é composto por dois integrantes o DJ (responsável por fazer as batidas e efeitos sonoros da musica) e o MC (responsável por cantar a música).


No início dos anos 1980 muitos jovens do mundo já cansados de disco music começaram a mixar músicas. Um exemplo: as músicas de James Brow serviram base para muitos rappers.
 No Brasil o rap só surgiu a parti de 1986 em São Paulo “Os primeiros shows de rap eram apresentados no Teatro Mambembe pelo DJ Theo Werneck”, no início ninguém aceitava a música dizendo que ela era típica de periferia, só a parti da década de 1990 que o RAP conseguiu um espaço nas rádios e as indústrias fonográficas. No início apenas dois rappers faziam sucesso que eram Thayde e DJ Hum. Logo após surgiram outros grupos no rap nacional: Racionais MCs, Pavilhão 9, Detentos do Rap, Câmbio Negro, Xis & Dentinho, Planet Hemp e Gabriel, O Pensador.

 Com isso podemos perceber que uma musica só será aceita em uma sociedade após anos de dedicação pois no começo poucos iram gostar dela.
 Mas e você o que pensa sobre o RAP?

Referências:
 http://www.suapesquisa.com/rap/

Créditos da imagens:
http://elisaculturajovem.blogspot.com.br/2012/07/rap-uma-escola-assim-eu-quero-pra-mim.html
http://www.netosdesalim.com.br/so-rap-nacional-ao-vivo-downlaod-gratis.html