quinta-feira, 27 de agosto de 2009

Ouro Preto...

Equipe de Criação [1]


Ouro Preto (antiga Vila Rica), Cidade Histórica importante do período colonial brasileiro, foi uma das cidades mais importantes de domínio português, pois, foi dali que se extraiu grande riqueza para a metrópole , inclusive para a própria cidade. Localizada na mesorregião metropolitana de Belo Horizonte (96 km até a capital) – MG, possui relevo montanhoso, clima tropical de altitude, 69.495 moradores e está a 1179 de altitude.

A expedição de bandeirantes comandada por Duarte Lopes explorou as montanhas em busca da “Serra de Sabarabuçu”, dizia a lenda indígena que era constituída de ouro e prata, e pode se dizer que é o “Cerro de Potosí” brasileiro por ser realmente rico em mineral ouro. Na expedição, os bandeirantes se intrigaram com umas pedras escuras encontradas no caminho dentro do rio Tripui, era ouro.

Amostras desse ouro chegaram às mãos do governador no Rio de janeiro, e deu-se início à corrida do ouro, onde vários aventureiros foram em busca do mesmo para a glória. De 1707 a 1709 ocorreu a Guerra dos Emboabas, conflito entre paulistas (bandeirantes) e portugueses para a posse do espaço das minas, a partir daí, foi denominado Vila Rica de Albuquerque o espaço urbano local, então começou a atração populacional para a extração de ouro e a movimentação, através de locomotivas com o carregamento de ouro. Até que em 1750 começou a escassear o metal valioso, isso fez com que Portugal intensificasse a cobrança de impostos e o combate aos contrabandos. Se já não bastasse, a inconfidência mineira ameaçava separar Minas Gerais do resto do Brasil.

Este texto serve para reforçar a história de Ouro Preto para o Brasil.

Aos que vão viajar, boa sorte e me despeço do blog pois, essa deverá ser, provavelmente, minha última postagem como membro da equipe de criação.



Passado (data não disponível) _______Presente
[1] Eduardo

quinta-feira, 13 de agosto de 2009

RUMO ÀS MINAS GERAIS: ORIENTAÇÕES INICIAIS

Coordenação

Eixos de Pesquisa para o 2º e 3º trimestres/2009

EIXO 1 – Personagens e seus contextos
- Lideranças
- Conflitos
- Romances
- Projetos políticos/culturais (arte barroca)
- As mulheres, os poetas: lutas políticas
- Inconfidentes
- outros

EIXO 2 – Construções coloniais e contexto histórico-cultural
- A arquitetura colonial e seus significados
- Os caminhos e suas memórias
- As imagens falam
- Arte barroca
- outros

EIXO 3- Patrimônio histórico, memória e contexto histórico-cultural
- Preservação do patrimônio: ações
- Patrimônio histórico e cultural: desafios
- Turismo e patrimônio histórico
- Sofrendo ações do tempo e dos homens
- Arte barroca
- outros

EIXO 4- Exploração do ouro e espaço geográfico
- Arraiais, vilas, cidades : o ouro que cria a geografia da Minas Gerais
- Marcas do passado colonial no meio urbano
- O meio físico e as dificuldades na construção do espaço urbano
- outros

EIXO 5 – Religião: histórias de fé e de poder
- As ordens religiosas e suas ações políticas
- Igrejas, ouro e poder
- Arte barroca
- outros

EIXO 6- Escravidão e o projeto colonial português
- Quem eram os escravos das Minas Gerais
- Os escravos e seus senhores
- Construção do edifico colonial : trabalho nas Minas, em construções de igrejas, na extração do ouro.
- Pelourinho, prisões, leis
- O universo cultural das populações escravas
- histórias curiosas
- outros
ORIENTAÇÕES GERAIS



1- Cada GT deverá escolher um eixo de pesquisa, não podendo haver repetição de temática na mesma turma;

2- O Projeto Audiovisual deverá ser entregue no prazo de 15 dias, a contar do seu início em sala de aula;

3- Os GTs receberão o modelo do “Projeto Audiovisual” impresso, para rascunho. Os coordenadores receberão o mesmo modelo por e-mail;

4- O “Projeto Audiovisual” deverá ser entregue, impresso, na data especificada.

5- Professores Orientadores:

8ª A: Marise e Ângela
8ª B: Fernando e Adriana
8ª C: José Carlos

terça-feira, 11 de agosto de 2009

América Latina - passado e presente

Prof. José Carlos

Assista atentamente aos vídeos que seguem. Após, desenvolva um texto argumentativo em torno da formação histórico-geográfica da América Latina. Considere em sua escrita a divisão internacional do trabalho (período colonial e atual), as consequências dos mais de 500 anos de dominação e os desafios a serem enfrentados.
Esse texto será a primeira questão de nossa avaliação, portanto traga-o neste dia!
Boa atividade!














domingo, 2 de agosto de 2009

O Calendário Circular Maia

Equipe de Criação [1]

Todos sabemos o que a palavra “previsão” significa, ou seja, ter conhecimento do que está por vir. O ser humano já é capaz de ter uma noção de como o clima se comportará dentro de alguns dias, mas será que ele consegue prever o seu tempo?


Imagine se você pudesse prever o que aconteceria amanhã, se você descobrisse que seria abordado ao sair de casa, você nem sairia obviamente. Mas se você previsse que morreria daqui a um mês? Você ficaria provavelmente angustiado e não viveria seus últimos momentos com felicidade.


Prever o futuro é algo inexplicável, mas existiu um povo que com seus conhecimentos matemáticos e astronômicos construiu um calendário circular, onde tudo o que aconteceu, aconteceria novamente. Esse povo é o Maia.


A humanidade moderna cria tecnologias todos os anos que os povos antigos talvez nem pudessem imaginar, mas nós não podemos uma coisa, prever o futuro. Temos poder para destruir o planeta, mas não dominamos o tempo, apenas o estimamos.


Eu sei que alguns de vocês, ou todos já ouviram falar de que em 21/12/2012 o mundo irá acabar, mas vocês já pesquisaram a respeito? Não se pode sair falando de uma coisa que você nem procurou sobre, pois há muitos lados da história de que os Maias previram o fim do mundo. Para eles o fim do calendário significava o fim de um ciclo e início de outro, e não o fim do mundo.


Nada é eterno, tudo um dia acabará, e a humanidade pode acabar aos poucos com catástrofes, doenças, etc, mas a ideia do apocalipse que agora surge com os boatos não pode nos parar, viveremos bem até o fim de nossas vidas (Se Deus quiser), se algo de ruim acontecer, estaremos unidos com nossos parentes, amigos, e família, dando força uns para os outros.




[1] Eduardo